Veja também O mundo inteiro em:
http://naiane-julie2.blogspot.com

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Tela Viva



         Ter a vida unida de forma intensa com a de outra pessoa nem sempre significa não discutir, não significa compreensão constante do outro e para o outro e nem sempre significa presença física. Também não significa ausência de momentos de sentimentos ambíguos. Nossas vidas que hora eram tão unidas como em um casulo do tempo e espaço, agora estão perdidas pelos espaços de sabe se lá quais lugares do vasto mundo. De alguma forma ainda vejo os mesmos rostos como se alguns momentos estivessem pintados numa tela, para sempre.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Sementes


Vou concluir a minha obra, e se concluirá a obra que não é minha; mas me pertence e eu a ela. Como um presente que pertence a quem o deu... sempre é de quem o deu...
Vou terminar aquele livro, desafiar aquele obstáculo, afastar-me dos olhos vagos, cheios de vazios fáceis...
Vou- me embora por alguns anos, e descobrir o que é distância. Vou recobrar a consciência, por vezes, após a morte da noite.
E quando a ampulheta estiver no fim, eu ainda estarei no começo. Quando a verdade for meu jardim, eu ainda estarei com as sementes. Quando existir alguém pra mim, eu ainda não estarei pronta. Quando chegar o meu fim, vou esquivar-me em outra onda...

Naiane Julie

(texto de Abril de 2008)