Veja também O mundo inteiro em:
http://naiane-julie2.blogspot.com

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Velhos medos



Sinto uma falta eterna
falta de encher a minha alma
com o calor inesgotável, intenso e insuportável dos teus raios de luz.
Sinto uma falta estranha e triste, mas mesmo assim boa
como se algumas coisas apenas você entendesse
e ainda assim.. muitas são mistérios pra nós dois.

Acho que é verdade, 'nadamos tanto e ainda assim encontramos
sempre os velhos medos'
É uma pena a distância ser tão irremediável
mas a falta a transforma numa completa e latente subversão
de todos os meus pensamentos...



segunda-feira, 24 de junho de 2013

O farol




Ora estou acuada e sem contestações,
ora estou defronte a tantas incompreensões
as quais antigamente surpreendiam
meu inquieto coração.
Mas hoje já não temo
nem estimo as ilusões
Alimentá- las me trazia
recursos para poesia
e luz para meu farol.

Quem me dera novamente,
dentro de todos os revés
ter a palavra, a frase certa
para outra vez, com ferro e fogo,
arrancá-las do meu pensar
Colocá- las no papel e sentir
ofuscar
a luz
do meu farol.

domingo, 16 de junho de 2013

A Coisa



google imagens

Existe uma coisa que habita meu peito
agrupa ladrilhos em meio ao desfeito.
Remove montanhas, desfaz o finito, tateia sem tato
constrói o perpétuo com o abstrato

Existe um fascículo do fascínio do presente
da existência infinita de todo universo.
É coisa reversa e às vezes é áspera
por tantas miragens em meio ao deserto

Em meio a coisa, estou benevolente
Por essa mesma coisa sou  manipulada
Sou todas as vertentes que ela construiu
Na imensidão e no nada.

quarta-feira, 29 de maio de 2013

A qualquer hora



Não posso medir a felicidade pela ausência de sofrimento,
seria injusto colocar uma porcentagem e dizer
que isso é felicidade
seria exato demais....
Não posso dizer que felicidade ocorra dependente
do chão que pisamos e das vezes que alegres
ouvimos boas palavras
sentimos um bom coração.
Apenas posso dizer que ainda tento descobrir
como emancipar a felicidade
do meu tenro coração
Dar a ela vida própria
Olhá-la externamente
Personificá-la.
Para depois de alguma maneira fazê-la florescer
sem pressa, sem hora
ou a qualquer hora,
de dentro pra fora.





sábado, 4 de maio de 2013



 google imagens

 
"Além do leste, o amanhecer. Além do oeste, o mar. E no leste e oeste a sede de vagar, que não me deixará estar."  
Gerald Gould

quinta-feira, 21 de março de 2013



"Um anjo vem todas as noites:
senta-se ao pé de mim, e passa
sobre meu coração a asa mansa,
como se fosse meu melhor amigo.
Esse fantasma que chega e me abraça
(asas cobrindo a ferida do flanco)
é todo o amor que resta
entre ti e mim, e está comigo."

Lya Luft

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Tela Viva



         Ter a vida unida de forma intensa com a de outra pessoa nem sempre significa não discutir, não significa compreensão constante do outro e para o outro e nem sempre significa presença física. Também não significa ausência de momentos de sentimentos ambíguos. Nossas vidas que hora eram tão unidas como em um casulo do tempo e espaço, agora estão perdidas pelos espaços de sabe se lá quais lugares do vasto mundo. De alguma forma ainda vejo os mesmos rostos como se alguns momentos estivessem pintados numa tela, para sempre.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Sementes


Vou concluir a minha obra, e se concluirá a obra que não é minha; mas me pertence e eu a ela. Como um presente que pertence a quem o deu... sempre é de quem o deu...
Vou terminar aquele livro, desafiar aquele obstáculo, afastar-me dos olhos vagos, cheios de vazios fáceis...
Vou- me embora por alguns anos, e descobrir o que é distância. Vou recobrar a consciência, por vezes, após a morte da noite.
E quando a ampulheta estiver no fim, eu ainda estarei no começo. Quando a verdade for meu jardim, eu ainda estarei com as sementes. Quando existir alguém pra mim, eu ainda não estarei pronta. Quando chegar o meu fim, vou esquivar-me em outra onda...

Naiane Julie

(texto de Abril de 2008)