Veja também O mundo inteiro em:
http://naiane-julie2.blogspot.com

domingo, 1 de agosto de 2010

Faz parte do show (Parte I)




Eu tentei mergulhar num profundo silêncio para ver se a verdade emergia. È um estado fascinante esse. Eu sinto alguma coisa correndo, não como parte, mas como o todo, como se fosse tudo que eu sou. E é tão intenso e bom e ruim, e o inferno e o céu, e a cura e a destruição, e a dor e a dor e a dor. Porque é mero estado, eu sei, mas é o mais marcante e esclarecedor, meus olhos abrem, e esse é o preço de abrir mão da esperança constante da qual queremos acreditar. Eu sei que existem respostas! Mas o show da vida é assim. È aceitar ser atingido ou não, crescer ou não. A única coisa que desejo hoje é uma resposta verdadeira. Uma única resposta que una a verdade e uma boa notícia. O amor pode acontecer e ser puro? A vida pode ser mais clara e fácil? Eu posso viver do meu modo e não ouvir nenhuma palavra de desaconselhamento? Eu posso? Eu posso? É eu posso. Eu devo? Se estiver disposta a romper com valores desnecessários, se estiver disposta a morrer para ver a vida com outros olhos. O que eu quero é pouco, é interno, é abstrato, é tudo de mais subjetivo que já existiu. E existiu onde? Em vagas menções de algumas pessoas que permitiram. Mas quase nenhuma delas soube explorar sem quase morrer. Eu quero viver! Mas quero uma lembrança melhor que essas tão sujas palavras, que essa imperfeição, esse cansaço. Eu quero lavar a alma, mas as águas são sujas. Ah! E isso, essa revolta, também, eu sei, faz parte do show....

Nenhum comentário:

Postar um comentário